Conheça os pré-candidatos milionários com condições para se autofinanciarem nas eleições 2020
O quesito viabilidade financeira não é uma preocupação para muitos candidatos que devem disputar a eleição suplementar ao Senado, em 26 de abril, ou as eleições municipais, em outubro deste ano.

Detentores de fortunas milionárias, alguns políticos sequer precisam da ajuda do Fundo Eleitoral, que neste ano vai distribuir R$ 2 bilhões aos partidos políticos para financiar as campanhas.

No topo da lista dos pré-candidatos afortunados de Mato Grosso está o vice-governador Otaviano Pivetta (PDT), que pretende disputar a vaga que era da senadora cassada Selma Arruda (Podemos).

Na declaração feita em 2018 à Justiça Eleitoral, Pivetta registrou uma fortuna de R$ 379,4 milhões.

Produtor rural e empresário do agronegócio e de outros segmentos, Pivetta tem seu dinheiro aplicado em diversas cotas de participação empresarial, fundos de investimentos e bens imóveis.

Entre os pré-candidatos ao Senado, ex-governador Júlio Campos (DEM) também teria  condições para se autofinanciar. Tem declarado à Justiça Eleitoral o montante de R$ 12,8 milhões.

Entre os bens do político está a cota de participação na Rádio TV Brasil Oeste, com R$ 2,9 milhões de capital, e na construtora Santa Laura, com R$ 3,6 milhões.

Os dados são referentes à última declaração de bens feita por Júlio, na eleição 2010, quando foi eleito deputado federal.

Na eleição para a Prefeitura de Cuiabá, o possível pré-candidato pelo PSDB, o empresário Luiz Carlos Nigro é outro com condições para se autofinanciar. E ao LIVRE, ele já afirmou: se for possível, o fará.

Sócio de empresas do ramo hoteleiro e imobiliário, Nigro declarou à Justiça Eleitoral em 2018 o montante de R$ 30,1 milhões.


Na ocasião, o empresário desistiu de ser candidato a deputado federal para compor a chapa ao Senado encabeçada pelo ex-deputado federal Nilson Leitão, do mesmo partido. Neste ano, Leitão vai disputar novamente o Senado na eleição suplementar.


Regras de financiamento

Advogado especialista em Direito Eleitoral, Lenine Póvoas explica que os possíveis candidatos – tanto para a suplementar ao Senado quanto para as municipais de outubro – devem estar atentos às alterações nas regras para o autofinanciamento de campanha.

“Pela regra antiga, os candidatos podiam fazer o autofinanciamento integral de suas campanhas, mas uma alteração feita em novembro de 2019, estabeleceu que o candidato poderá usar recursos próprios na campanha só até o total de 10% dos limites previstos para os gastos ao cargo que vai concorrer”.

A alteração foi promovida com a publicação da Lei 13.878/19, que estabeleceu o prazo de um ano para que possa valer a nova modalidade de autofinanciamento.

Sendo assim, a nova regra deve valer apenas para a eleição municipal e que, em tese, a eleição suplementar ainda permanece na regra antiga.

Limites de gastos

Nas eleições de 2018, os candidatos ao Senado puderam gastar R$ 3 milhões com a campanha eleitoral.

Se for mantido o mesmo valor na eleição suplementar, os candidatos só poderão aplicar R$ 300 mil em recursos próprios como autofinanciamento, caso a Justiça Eleitoral determine que a nova regra já tenha validade na eleição suplementar.

O valor tem que ser devidamente atribuído como doação de pessoa física para a pessoa jurídica, visto que cada candidato é registrado com um CNPJ.

Quanto aos limites de gastos para a eleição municipal, em 2016, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá puderam gastar R$ 9 milhões no primeiro turno e R$ 2,7 milhões no segundo. Nos demais municípios, os valores variaram de acordo com o número de habitantes.

Fonte: O Livre

Voltar